A atleta de Bauru se tornou a única atleta brasileira a disputar uma final de Mundial Paralímpico de Tênis de Mesa

Catia Oliveira teve um ano de ouro em 2018! A temporada da atleta foi repleta de desafios e conquistas e para coroar seu ano no começo de dezembro ela foi eleita a Melhor Atleta de Tênis de Mesa Paralímpico do Brasil em 2018.

O Prêmio Paralímpicos premia os melhores atletas do ano de cada modalidade e foi realizado no dia 12 de dezembro no Centro Paralímpico Brasileiro, em São Paulo. Catia se tornou a segunda atleta com mais indicações na premiação desde sua criação, ela já havia vencido em 2015.

O ano da mesatenista da Nova Era de Bauru foi repleto de títulos e conquistas e a indicação já era esperada pelos amantes do esporte. Catia foi vice-campeã mundial, uma conquista inédita para o Brasil no Mundial Paralímpico da Eslovênia disputado em outubro. Além da prata no Mundial, conquistou também o bronze na Etapa do Circuito Mundial da Eslovênia fator 40, a 5ª colocação na Etapa do Circuito Mundial fator 40 da Eslováquia, foi Tetracampeã Brasileira e venceu as duas Etapas da Copa Brasil que disputou: Toledo e Maceió.

A mesatenista fecha o ano de 2018 na quinta colocação do ranking Mundial e com a classificação para o Parapanamericano de Lima no Peru em 2019, que será sua principal competição no ano.

“Queria agradecer primeiramente a Deus, minha família, amigos e principalmente a minha Equipe (Henry, Mateus, Natalia, Barbara, Denise, Dr. Hemerson), vocês são demais! Em especial, meu técnico Adilson Toledo e a Tayna Campos e todos os meus patrocinadores e parceiros que fizeram meu sonho tornar realidade.”, disse Catia.

Além de enfrentar as adversarias e as dificuldades do esporte, durante o Mundial da Eslovênia a mesatenista teve que vencer mais uma batalha e se superar mais uma vez. Isso porque após sua classificação para a final da competição seu pai Flávio Alves faleceu vítima de um ataque cardíaco. Antes da cerimônia de entrega das medalhas a atleta soube da triste notícia e recebeu uma bela homenagem de todos presentes.

“Esse ano ficará marcado para sempre em minha vida devido as conquistas que tive e o falecimento do meu pai. O momento mais marcante para mim do ano foi o Campeonato Mundial, e a partida de semifinal contra a italiana Giada Rossi número 2 do mundo. Foi um momento muito feliz para mim levar o Brasil a uma final inédita e ficar com a prata, mas também o Campeonato também marca por conta do falecimento do meu pai, foi muito difícil e a conquista eu dedico a ele”, analisou a atleta.

De olho no ouro e no topo do ranking

Crédito: Roberto Castro/ rededoesporte.gov

As competições e objetivos do próximo ano de Catia ainda estão sendo traçados e planejados, mas conquistar mais medalhas e ouros e subir no ranking Mundial são algumas certezas.

A princípio a atleta pretende participar de um Campeonato fator 40 no segundo semestre e disputar alguma competição na Ásia, onde poderá enfrentar as adversárias chinesa e coreana, além do Parapan de Lima no Peru.

O técnico da atleta Adilson Toledo traçou alguns objetivos para 2019: “Nossos objetivos são três. Subir posições no Ranking Mundial, vencer atletas no circuito que ainda não vencemos e fazer uma temporada com torneios e situações muito similares às Paralimpiadas de 2020. ”

0 Comments

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Previous reading
Retrospectiva 2018: de final inédita para o Brasil ao prêmio de melhor do ano
Next reading
Prata de Catia Oliveira é o melhor resultado do país em Mundiais de tênis de mesa